Quando o mundo mais precisou

Uma análise sobre o planejamento e o trabalho em equipe que resultaram em uma entrega histórica.
Quando o mundo mais precisou Quando o mundo mais precisou Quando o mundo mais precisou

O UPSer Tony Mazzella viu e sentiu.

A ilha de Manhattan quase vazia. Pessoas fechadas entre quatro paredes, empresas abandonadas, a Times Square vazia. A cidade que nunca dorme parecia ter caído em um sombrio sono profundo.

A cidade universitária de Ann Arbor também estava silenciosa, e Reggie Byron percebia a diferença. O campus da Universidade de Michigan, onde 45.000 alunos normalmente lotam as ruas, tinha ficado silencioso. Reggie continuou suas entregas de pacotes de cuidados essenciais ao hospital da universidade durante os primeiros meses, mas nada mais era o mesmo.

O que Tony e Reggie não sabiam, nem poderiam saber, era o que estava acontecendo nos bastidores. Coisas em andamento desde meses atrás que tornaram possíveis as primeiras entregas de vacinas desta semana.

Como tudo começou

Wes Wheeler, presidente da UPS Healthcare, lembra-se dos primeiros dias. “Começamos a planejar em abril, quando nos envolvemos com os estudos clínicos (das vacinas)”, disse Wes. “Isso nos deu muitos insights sobre como essas vacinas seriam fabricadas e transportadas, e as nuances de quais estariam em quais temperaturas e locais de fabricação.”

Não foi um processo fácil. A equipe desenvolveu dezenas de milhares de cenários de distribuição para garantir que a UPS tivesse a capacidade necessária em sua rede mundial para lidar com o volume.

Wes acrescentou que quando a UPS Healthcare foi criada, há pouco mais de um ano, a intenção não era lidar com a logística de uma pandemia global, mas o destino tinha outros planos.

Early on in the pandemic, UPS was recognized as part of the nation’s critical infrastructure and the company filled the void caused by the closing of retail facilities. Volume skyrocketed. Perhaps never before had UPS been more essential to the world’s economy.

Ainda assim, estava em andamento o planejamento para uma função ainda mais importante. Convidada a fazer parte do planejamento da Operação Warp Speed, a UPS esteve presente enquanto cenários logísticos eram desenvolvidos e parcerias público-privadas eram aceleradas para desenvolver e testar vacinas eficazes contra a Covid-19.

Visão da rua

O que Tony Mazzella sabia com certeza era que havia pessoas sofrendo.

"Há seis meses, esta era uma cidade fantasma", disse ele. “Foi difícil para todos.”

A primavera se transformou em verão e depois em outono, enquanto os testes de vacinas avançavam na avaliação de segurança e eficácia, e a UPS estava lá para tomar notas a cada passo. Continuando a aprimorar um plano capaz de garantir a entrega de doses de uma unidade de produção para pessoas em todo o mundo.

Kate Gutmann, diretora de vendas e soluções, vice-presidente sênior da Unidade de Saúde e Ciências da Vida da UPS, recentemente colocou as coisas em perspectiva.

“Trabalhamos com a Pfizer e com oito das dez vacinas em desenvolvimento”, disse Kate. “O planejamento valeu a pena.”

Com a confirmação de que a vacina da Pfizer-BioNTech tinha mais chances de conseguir as primeiras aprovações da FDA e de agências reguladoras semelhantes no mundo todo, tudo ficou mais claro.

Assista à entrevista com o Yahoo Finance sobre a preparação e a entrega de remessas de vacinas.

imagem

“Esta é a hora da verdade”, disse Wes, descrevendo os momentos antes da aprovação da vacina pela FDA para uso emergencial. “Passamos meses trabalhando com autoridades da Operação Warp Speed e com clientes do setor de cuidados com a saúde em cima de uma estratégia de logística eficiente para a vacina, e chegou a hora de colocar o plano em prática.”

A CEO Carol Tomé anunciou ao mundo o orgulho que os UPSers sentiam coletivamente às vésperas de fazerem história.

“A distribuição da vacina é uma parte fundamental de fazer nosso mundo avançar, entregando o que mais importa”, disse Carol. “Temos pessoas dedicadas e empenhadas em todo o mundo que foram treinadas para armazenar, manusear, transportar e entregar vacinas. Temos a satisfação de apoiar nossos parceiros de saúde com uma logística inteligente e eficiente para essas vacinas que protegerão as comunidades e salvarão vidas.”

Um momento decisivo para a empresa

Depois de pilotar no domingo o primeiro voo carregado com vacinas ao Worldport da UPS em Louisville, o Capitão da UPS Houston Mills, vice-presidente de operações de voo, disse que o fundador da UPS, Jim Casey, teria ficado orgulhoso.

"Levando em conta que ele (Jim Casey) começou a UPS com um empréstimo de US$ 100 e duas bicicletas para entregar mensagens, e hoje ajudaremos a entregar vacinas que podem literalmente mudar a vida das pessoas ao redor do mundo, tenho certeza de que o Sr. Casey ficaria orgulhoso", disse ele.

Reggie vive em Ann Arbor, ironicamente a apenas cerca de 90 minutos de uma das instalações de produção de vacinas. Ela finalmente está fazendo uma das primeiras entregas de uma vacina que pode acabar com o flagelo das doenças e mortes causadas pela Covid-19.

“Isso faz com que eu sinta que estou fazendo a diferença na vida das pessoas”, disse ela no dia da entrega da primeira vacina. “Sempre soubemos que o nosso trabalho era importante, mas isso o leva para outro nível.”

Tony concorda plenamente. O extrovertido nova-iorquino reflete sobre uma jornada aparentemente interminável que agora mostra um raio de luz no fim do túnel.

“Este é o pacote mais importante que já entreguei em toda a minha carreira”, disse ele, referindo-se aos seus mais de 30 anos na UPS, momentos depois de fazer a primeira entrega ao Hospital da NYU, em Manhattan. “Espero que as coisas voltem ao normal. Que as pessoas voltem aos seus trabalhos e que possam voltar às suas vidas. É isso que espero com a entrega desta vacina.”

Histórias relacionadas

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink SoftwarePowered By OneLink